Beer Holder Cego 172 – Você entendeu a referência?

Olá aventureiros! Hoje o papo na taverna é Referência!

Hoje é dia de explorar de onde vem nossas referências bem como usamos elas nas nossas mesas!

Venha para esse papo super divertido e assim também cheio de ideias!

Conta pra gente qual é aquela referência super top que você tem e como você as insere em suas mesas?

CONTATO@BEERHOLDERCEGO.COM.BR

Ajudar os goblins da taverna é bom, ainda mais se você ganhar um descontinho né?

🤑 Assine Amazon Prime 🤑
https://amzn.to/2LpuYRi

Ajude o Beer Holder Cego respondendo a nossa pesquisa, assim também você nos ajuda a te conhecer um pouco mais! 
https://goo.gl/forms/PTte0xEqiZj1e1u32

E definitivamente, não deixe de ouvir as aventuras na cozinha da gnoma:

Compre a camiseta Dwarf no Barril

Camiseta Dwarf no Barril


Conheça agora as novas camisetas da Taverna:

Assine nosso feed: https://www.beerholdercego.com.br/feed/podcast

Não deixe de compartilhar para todos os seus amigos, juntamente com seus jogadores.

Monte sua mesa, mande fotos e conte um pouco da sua aventura para a taverna!

Fale com a gente pelo e-mail: contato@beerholdercego.com.br

Nas redes sociais somos @beerholdercego no Twitter e Instagram, juntamente com o mesmo nome no Facebook, participe do Grupo da Taverna.

Não esqueça de ajudar a taverna divulgando nosso podcast em suas redes sociais, bem como avaliando positivamente ele na ITunes.

Seja um padrinho da taverna e dessa forma nos ajude a continuar crescendo em:

https://www.padrim.com.br/beerholdercego

PicPay da Taverna

Muito obrigada aos nossos queridos padrinhos que contribuíram e assim também estão ajudando a Taverna a crescer!

2 Replies to “Beer Holder Cego 172 – Você entendeu a referência?”

  1. Salve queridos, rolou cast de Referência é obrigatório eu tirar um tempinho pra dar meus dois centavos sobre o assunto hahaha.

    Eu acho curioso que todo produto hoje de cultura é quase inevitável que tenha alguma referência, seja de algo de terceiros ou algo do próprio universo. Eu sempre acho que este tipo de recurso é sempre uma chance de testar atenção e acrescentar alguns pontos que possam até mesmo dar interatividade pra aventura. Como produtor de um rpg abarrototado de referências eu sou absurdamente suspeito pra dizer isso mas se bem usado isto pode ser um recurso poderoso.

    Eu acredito que referência seja um ingrediente de laboratório que está aí para ser usado e também ajudar a criar alguams coisas. Quando se trata de algumas outras áreas, como publicidade por exemplo, isto é como um fósforo para dar luz a ótimas ideias e pro RPG não é diferente.
    Quando vou mestrar sempre gosto de conversar com os jogadores pra saber qual é o feeling e o que estão esperando, assim da pra ter uma jogatina bem gostosa e com aquele sentimento gostoso da supresa que remete a algo que conhecemos(ou todo mundo vai ficar como o capitão américa que entendeu).É sempre muito gratificante quando os jogadores tem até mesmo aquele sorrisinho de: ahhh mestre sem vergonha…

    Tratando das que eu gosto de usar, eu sempre curto usar alguns menes volta e meia ou algo das minhas principais referências de escrita, como Tolkien e Cornwell da vida. Mas têm um tipo de referência que é bacana usar também quando se têm mais de uma mesa com o mesmo grupo, que é usar elementos de outra como se fosse um outro unierso mas meio que X NPC ou cidade existe(quem faz isso muito em RPG’s de videogame é a série Final Fantasy com seus cid’s, summons, cidades e etc).

    No mais, cast tri-divertido e já na vibe do ep de The Witcher, salvem os goblins hahaha o/
    Um abraço do Heavy

  2. Adorei o podcast e, acho que como todo mundo, uso muitas referências na aventura que estou mestrando.
    Diga-se de passagem baseei minha aventura em todo o universo do Neil Gaiman (Stardust, Livros da Magia, Hellblazer, Sandman), ou seja, toda minha aventura é uma referência 🙂

    Quanto a sugestões de temas para o podcast de magias, acho que além do citado Hellblazer/Constantine, acho que dava pra incluir a série do Livros da Magia que lida muito com a idéia de que toda a magia tem seu preço e como o próprio Constantine fala várias vezes: Não vale a pena

    E também a magia do universo Discoworld, do Terry Pratchett. Que é meio que selvagem e a própria academia de magia é algo absurdo (além do prédio ser invisível, os magos sempre estão tentando se matar pra subir na “carreira”)

    Do mais, parabéns de novo pelo podcast e to aqui numa maratona de ouvir vários cast antigos que perdi 😁

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *